Apresentações Orais

Ana Bela Cabral

Ana Bela Cabral


Do início do nosso percurso académico ao final da nossa carreira profissional, serão variadas as ocasiões de apresentação oral: apresentação de trabalhos escolares e académicos, defesa de dissertações, relatórios ou teses, apresentação da empresa ou instituição onde trabalhamos, comunicação numa conferência…
Contudo, apesar dessa diversidade, é possível indicar um conjunto de critérios comuns que podem ser úteis e concorrer para a eficácia da apresentação oral.
1. Definição de objetivos: antes de nos prepararmos para qualquer tipo de apresentação oral, é fundamental sabermos exatamente por que motivo o faremos. Seja para obtermos uma boa nota e assim valorizarmos o nosso currículo, para promovermos uma ideia, um produto ou serviço, ou, em última instância, para promovermos a nossa própria imagem ou carreira, nunca seremos eficazes o suficientes se não tivermos em mente um fio condutor. Sabermos o(s) nosso(s) objetivo(s) também nos leva ao conhecimento do público-alvo e à consequente adequação da nossa mensagem.
2. Preparação: esta etapa é fundamental. Os oradores mais convincentes e atrativos, que falam espontaneamente, sem nunca olhar para o papel são aqueles que mais se preparam. Além do guião em si (que pode ser o discurso integral ou simples itens ou esquemas) e do suporte de apresentação (PowerPoint, por exemplo) que devem ser ensaiados (e até mesmo teatralizados), não devemos descurar os aspetos logísticos, como as deslocações até ao local da apresentação, a fim de evitar atrasos, e a verificação dos audiovisuais necessários (som, luz, projeção, etc.).
3. Comunicação Verbal: além da correção linguística que se impõe, é importante verificar e validar o uso da terminologia (por exemplo, numerosas fontes de consulta provêm do Brasil onde as diferenças terminológicas são notórias e não são assimiladas pelo público). É fundamental que o conteúdo da nossa apresentação seja concordante com o título para não frustrar expetativas e conservar a atenção do público. De igual forma, devemos evitar divagações que quebrariam a nossa ligação ao público. Não esquecer de referenciar as nossas fontes é uma prova de honestidade e de respeito pelo direitos autorais. Em caso de utilização de suportes visuais, é necessário ter em atenção a harmonia da mancha gráfica e a legibilidade e tamanho do tipo de letra.
4. Comunicação Não-verbal: é indispensável ter em conta todos os aspetos referente ao paraverbal, isto é, um bom uso vocal. Devemos procurar falar no ritmo certo (deve evitar-se a leitura de textos, pois essa prática leva-nos a falar muito depressa e a perder a atenção do público), gerir devidamente o olhar dividindo-o equitativamente pelo público; procurar acompanhar a nossa apresentação com uma gestualidade ponderada, mas que traduza entusiasmo e dinâmica e cuidar a nossa apresentação e indumentária, sem exageros e exuberâncias.
Finalmente, e a fim de evitar a impaciência do público, é bom ter em atenção a gestão do tempo, não te alongues e aproveita para, durante a apresentação, captares sinais de aprovação/desaprovação, interesse/aborrecimento, etc.. É importante conseguires o feedback do teu trabalho para, se necessário for, reorientares as tuas estratégias.

Partilha esta publicação

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email
Comentários recentes

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *